Capítulo Treze

books and geek world

Mika
Oi gente! Aqui quem fala é a Mika. tenho 22 anos e estou terminando o curso de Administração da UnB (amém!). Eu adoro livros, especialmente os romances. Amo me perder nas histórias acompanhada de uma boa xícara de café.

Heloísa, uma mulher: memórias - Heloísa M. Álvares | Resenha


Nessas memórias, Heloísa conta suas experiências de vida como uma mulher sensível e sensual, que tenta manter a mente e o corpo livres. Sujeita a sofrimentos e inseguranças, mas também capaz de grandes alegrias e prazeres, a autora compartilha sentimentos íntimos, relembra fatos de sua vida e conta sobre suas experiências sexuais, sob a ótica de quem se diz "uma romântica incorrigível". O sexo é tratado de forma franca e sem tabus, por uma mulher que sempre deu asas às suas fantasias e está sempre aberta a novas experiências e prazeres.
Não-ficção | 160 páginas | Editora All Print | Livro cedido pela autora em parceria

Quando peguei Heloísa, uma mulher: memórias para ler, eu não sabia bem o que encontraria. Mas pelo título já imaginava que seria um livro sobre memórias da autora, só não sabia bem sobre o quê. Qual foi a minha surpresa quando li na primeira página que o teor do livro seria o sexo?

Vocês já me conhecem e sabem muito bem que eu não me importo com cenas eróticas, eu até incentivo a leitura de livros do gênero porque acredito que o tema precisa ser discutido, dá mais liberdade a quem lê e abre mentes. A diferença desse livro para um dos tantos que eu leio, é que não existe personagens e um enredo fictício. Tudo aqui é a mais pura realidade vivida pela autora. E caramba, que coragem! Se despir de suas experiências sexuais, falar do que já fez e dar a cara a tapa para o leitor julgá-la não é algo que qualquer um faria. E como leitor, eu não estou aqui para julgar suas atitudes (porque muitas eu realmente não faria e não concordo) mas para criticar e dar minha opinião sobre seu trabalho como um todo. Por isso esse livro não é para qualquer um. Aqui a autora trata sexo sem rótulos e sem tabus, sua clareza e narrativa é franca e consegue transpassar ao leitor uma ideia de que estamos lendo relatos de uma amiga, não só uma escritora, mas uma mulher com uma vida sexual ativa e cheia de experiências para contar. E se você não entende ou não gosta dessa abordagem, o livro realmente não é para você. É para aqueles que precisam ter a mente aberta para ouvir sobre o tema, porque acreditem ou não, sexo é tão normal mas tão julgado, que as pessoas perdem mais tempo querendo falar mal e fechar os olhos para o assunto do que se propôr a entender. Então vamos para a resenha!
Como comentei acima, o livro é composto de pensamentos e relatos da autora com suas experiências sexuais, e por ter esse formato, ele não tem capítulos. O texto é corrido e é como se estivéssemos conversando com a autora. A facilidade com que ela conversa e transmite suas emoções ao leitor é muito tocante. Eu já nem a conhecia mas queria saber mais e mais sobre suas experiências. E que livro intenso, meu Deus! Não somente porque fala de sexo, mas porque nem tudo na vida de Heloísa foi só orgasmos e homens diferentes, mas também ouve dor e destruição.

A partir do momento que Heloísa conta sobre sua primeira vez e os parceiros sexuais que já teve, sua vida vai se moldando aos olhos do leitor. Em algumas cenas eu realmente achei que ela era muito liberal, fiquei chocada, confesso, mas outras eu me senti muito representada. Eu mesma poderia ter escrito esse livro! Não sou acanhada quanto ao assunto sexo, eu só não faço as coisas por falta de oportunidade mesmo e não tenho vergonha de admitir. E parece que eu vivi essas experiências através da Heloísa. Ficamos tão imersos nas histórias que a obra vai correndo e nem percebemos.

Ouve um relato que me marcou muito. Foi o do tal Otávio. Não vou entrar em detalhes, mas basicamente a autora viveu um relacionamento longo e abusivo com esse homem, que na cama era bruto e extremamente agressivo, fazendo coisas absurdas em prol de seu prazer, e fora dela se mostrava carinhoso e amoroso. Já sabemos que nesse tipo de relacionamento, o agressor sempre se coloca como vítima e faz com que o elo mais fraco se sinta dependente dele. E como um vício, Heloísa se envolveu com Otávio, da qual não conseguia se livrar. Cada vez que eu lia sobre essa parte da vida dela, mais me entristecia e ficava ansiando o momento que ela diria que tomou coragem para largá-lo. E isso aconteceu... mas demorou tanto! Se você lessem o que eu li, ficariam horrorizados. Senti vontade de dar um abraço na autora, ao mesmo tempo dar na cara dela por ser tão sonsa e continuar nesse ciclo vicioso. Mas quem sou eu para julgar! Já comentamos aqui a respeito do tema e não nos cabe fazer isso, além de entender e estender a mão para ajudar. Mesmo assim não consegui deixar de me sentir revoltada com toda a situação.
Quanto mais chegava ao final do livro, mais ansiava por um final feliz. Sei que Heloísa não é um personagem fictício, sei que a vida real é muito cruel e por vezes nossa felicidade demora a chegar e ás vezes nem chega. Mas me senti tão conectada com a obra que só queria que tudo estivesse bem, que Heloísa enfim encontrasse um homem que a amasse, aplacasse seu desejo sexual e a fizesse feliz. E só lendo para saber se ela conquistou isso ou não! Daqui eu termino minha resenha fazendo duas observações. A 1ª é que a obra é muito rica em detalhes, como falei, o tema não é citado como tabu, então a linguagem pode ser considerada imprópria para alguns, mas achei a mais fiel possível ao que conhecemos e discutimos hoje a respeito de sexo. Impossível falar do tema continuamente com o leitor chamando tudo de pênis e vagina. A realidade não é assim, e mesmo me chocando com a crueza dos fatos, eu gostei dessa abordagem. E 2º, eu queria ter uns amigos que a Heloísa teve! Haha brincadeiras à parte, eu agradeço imensamente a autora pela oportunidade de ler a obra. Mais do que sair da zona de conforto, é se entregar a um tipo de enredo diferente e acabar se surpreendo positivamente. Super recomendo!

Comentários

  1. Oi, Mika!
    Amo esse tipo de leitura, pois acho que estamos em uma época que sexo não pode mais ser um tabu, né? Já conquistamos tantas coisas, mas continuamos nos arrastando em outras. Gostei por ser uma leitura intensa e nos colocar em contato com a vida da autora. Já anotei o título para procurar depois!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mari
      É um livro bem necessário, mas não é pra todo mundo né? Tem gente que não aguentaria ler duas páginas KKK Eu fiquei impactada, adorei!

      Excluir
  2. Oii!
    Faz muito tempo que não leio uma obra com o conteúdo voltado para o erotismo mas saber que a autora foi corajosa se expondo dessa forma sem pudores, mostrando a sua realidade, sua vivência e o que sentiu e passou me deixou bem interessada pela leitura, afinal, é obviamente uma mulher forte. Anotei com toda certeza o título aqui. Espero que no final tenha acabado bem.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Larissa
      Siim! A autora se mostrou forte, mas também vemos suas fraquezas ao longo da leitura. Me identifiquei muito com ela, afinal, todos somos humanos e cometemos erros. Espero que leia!

      Excluir
  3. Oie! Tudo bem?
    Adorei como falou sobre o livro e a questão do tabu. No início quando li romances que continham cenas eróticas eu me sentia estranha e quebrando algum tipo de lei (?) mas agora isso já passou. Também acho importante! Gosto de livros assim que o leitor se conecta com o autore
    Abraços!

    L de Saturno

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi!
    Não sou muito de ler biografias, mas fiquei bastante interessada nesse livro justamente por conta do seu tema. Sexo e fetiche ainda são um grande tabu na sociedade
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio de aniversário Balaio de Babados e O que tem na nossa estante. Participe!

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi,
    Por ser um livro baseado em fatos reais, seria uma leitura bem sofrida para mim.
    Como a Luiza ai de cima, não leio biografias, mas é uma obra que com certeza faria a diferença pela sua intensidade.
    beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Miriã.
    Eu particularmente não gosto de ler livros de não-ficção, ainda mais um relato desses que a gente vai sabendo que aconteceu tudo mesmo de verdade. Por isso acho que não leria ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não esqueça de deixar seu comentário, assim poderei saber se gostou ou não do post.
Aproveite e deixe seu link, para que eu possa retribuir sua visita! ❤

Formulário de contato