Um encontro de sombras - V. E. Schwab | Resenha

27 de janeiro de 2020

Kell e Lila estão de volta nesta sequência de Um tom mais escuro de magia Quatro meses se passaram desde que a pedra sombria caíra nas mãos de Kell. Quatro meses desde que seu caminho cruzara com o de Delilah Bard. Quatro meses desde que Rhy fora ferido, que os gêmeos Dane foram derrotados e que a pedra fora enviada com o corpo moribundo de Holland, pelo portal, de volta para a Londres Preta. Em diversos aspectos, as coisas quase voltaram ao normal, apesar de Rhy ficar mais tempo sóbrio e de Kell estar sempre assolado pela própria culpa. Inquieto e tendo desistido dos contrabandos, Kell é frequentemente visitado por sonhos sobre acontecimentos mágicos de mau agouro, acordando apenas para pensar em Lila, que desapareceu no píer como sempre desejara fazer. Conforme a Londres Vermelha finaliza as preparações para os Jogos Elementais (uma competição de magia internacional e extravagante com o intuito de entreter e manter saudáveis os laços entre os países vizinhos), certo navio pirata se aproxima, trazendo velhos amigos de volta ao porto da capital. Mas, enquanto a Londres Vermelha está absorta em bajulações e nas emoções dos Jogos, outra Londres está gradualmente voltando à vida, e aqueles que se pensava estarem perdidos para sempre retornaram. Afinal, uma sombra que se esvai no meio da noite reaparece pela manhã, e tudo indica que a Londres Preta se ergueu novamente. Sendo assim, para manter o equilíbrio da magia, outra Londres deve perecer.
Depois de quase um ano protelando, consegui ler Um encontro de sombras, o segundo livro da trilogia Tons de Magia, escrito pela adorável Victoria Schwab. A primeira vez que tentei ler, algo não colou e eu acabei arrastando a leitura até enfim desisti, mas esse ano pretendo liberar vários livros empacados da estante e este foi um dos escolhidos.

Pra ficar mais fácil de você entender bem a história, eu vou contextualizar. O mundo em Um encontro de sombras é dividido em quatro Londres. A Londres Vermelha, repleta de magia onde as pessoas vivem em equilíbrio com ela, a Londres Cinza, que não possui magia alguma, a Londres Branca, onde se luta para controlar a magia que cresce cada vez mais e a Londres Preta, que fora consumida pela magia em descontrole. Kell é o protagonista da trilogia e ele é um Antari, uma pessoa especial capaz de controlar todos os elementos da magia (água, ar, fogo, terra e ossos) e ainda por cima viajar entre as Londres. 

Por trabalhar a serviço da coroa da Londres Vermelha, Kell sempre viaja para a Londres Cinza em missões diplomáticas, só que sempre trazendo ou levando algo consigo, o que é terminantemente proibido, já que nenhum objeto pode viajar entre as Londres. E o fato de Kell ser um contrabandista acaba trazendo vários problemas para ele. Ele acaba conhecendo Lila Bard, uma ladra pertencente a Londres Cinza, que acaba por embarcar com ele nessa aventura que termina com Kell dando a sua vida para salvar seu irmão, o príncipe Rhy. Agora ambos estão conectados. Tudo o que Rhy ou Kell sente, seja dor ou prazer, o outro sente também. E se caso Kell morrer, Rhy morre também. (Você pode ler minha resenha completa aqui).
Agora que tudo foi explicado, vamos a resenha desse segundo livro! As primeiras 150 páginas são um tanto enfadonhas porque nos apresentam apenas o que aconteceu aos personagens quatro meses depois dos acontecimentos do primeiro livro. É basicamente uma introdução para as partes realmente importantes. Lila acabou na tripulação do Night Spire, um navio corsário, comandado pelo capitão Alucard Emery. Rhy e Kell por sua vez continuaram no palácio. Mas agora Rhy está com um humor mais sombrio, enquanto Kell está constantemente sendo vigiado pelo rei, que não consegue disfarçar sua desconfiança devido aos acontecimentos anteriores. 

Todos estão se preparando para o Essen Tasch, o famoso Jogos Elementais que reúne 36 magos, 12 de cada província da Londres vermelha: Arnes, Faro e Vesk. E como vocês podem imaginar, Lila acabará participando indevidamente dos jogos, ao mesmo tempo que Kell também criará uma identidade falsa para poder lutar também. O que vai dar muito errado, óbvio. 
Descobrir que observar é a maneira mais rápida de aprender e a forma mais segura de permanecer viva. 
Ir embora tinha sido fácil. Não olhar para trás foi mais difícil.
O resto é história e vocês precisam ler! Eu fiquei completamente eufórica quando li o primeiro livro, porque como todos bem sabem faz tempo que fantasia não é meu gênero favorito, por isso é muito difícil eu conseguir me deixar envolver por uma história. Mas esse livro conseguiu me fisgar completamente e me deixou ansiosa pelo segundo. E a mesma sensação não aconteceu. Como comentei, algo não fluiu e eu acabei abandonando a leitura, mas graças a Deus que eu não desisti e resolvi dar outra chance a essa obra. Eu sabia que poderia me encantar com a Schwab outra vez, e não estava errada. Eu fiquei abismada enquanto terminava essa leitura, completamente envolvida e necessitada de mais! Quero o terceiro livro pra ontem tsc tsc.

A escrita da autora continua latente e ao mesmo tempo muito ágil. Mesmo no início quando nada de interessante acontece, ela consegue nos deixar vidrados com sua narrativa. A obra é dividida entre passagens nas quatro Londres, e toda vez que surgia algo sobre a Londres Branca, meu coração palpitava, porque eu sabia que nada de bom poderia acontecer ali. Dito e certo! Schwab vai escrevendo e tecendo sua história aos pouquinhos, sabemos que a merda vai acontecer, e mesmo não tendo surpresas, ficamos ansiosos quando ela vem.

Lila continua tão imprudente quanto no primeiro livro. Ás vezes essa característica dela me irritava. Mas seu crescimento foi algo notável nessa obra. É impossível não perceber o quanto ela se desenvolveu e deixou de ser apenas uma ladra da Londres Cinza para se tornar uma maga poderosa na Londres Vermelha. Ela ficou foda, mas não sei ainda se o preço a se pagar por tanto poder é válido. Fica a questão.
Acho que eu não tenho medo de quem você é ou mesmo do que você é. Estou com medo da razão por você está aqui.
Já em Kell a mudança foi mais sutil. Ele ainda continua poderoso e a serviço da Coroa, mas é óbvio que existe uma inquietação que antes não estava lá. Agora ele passa mais tempo treinando, deixando suas forças serem exauridas e o poder se apossar dele. Mas também existe Rhy, que agora está sempre a procura de confusão, com uma crescente raiva dentro dele.
A tensão entre Kell e Lila cresce mesmo com eles separados. Dá pra perceber que um deixou marcas profundas no outro, e a saudade que sentem é muito grande. Só que são tantos desencontros... apostei até em um triângulo amoroso que graças a Deus não rolou. Mas se há algo que me chocou foi descobrir que o Rhy é bissexual. Não estava tão óbvio pra mim isso no primeiro livro, mas agora FICOU BEM ÓBVIO! Se eu shipo ele com um certo alguém? É lógico!
Sabe, se sua capacidade para governar for metade de sua capacidade para mentir, você será um rei incrível.
Outra coisa que me irritou profundamente foram as atitudes dos pais dos dois. É óbvio que Kell está sendo punido pelo rei e pela rainha pelo que aconteceu a Rhy, e o fato de só o verem apenas como um trunfo sob as outras províncias só mostram o quanto eles não nem aí pro cara. E eu queria tanto colocar Kell num potinho... meu Antari injustiçado, dono do meu coração!

Bem, os Essen Tasch é uma loucura a parte. Eu me senti assistindo as lutas do Naruto, acreditem hahahaha tudo é tão detalhado e tão gostoso de visualizar que é como se eu estivesse ali do lado, vendo tudo acontecer.

Como eu disse antes, os acontecimentos finais não são uma surpresa, mas criam uma tensão e uma ansiedade enorme no leitor, que faz com que a gente se sinta órfã depois da leitura. Com toda certeza vou ficar de olho nos lançamentos pra ver se a Record vai parar de enrolar e trazer logo o terceiro livro pra cá.

Tons de magia #2 | 560 páginas | Editora Record | Nota: 5/5❤

5 comentários

  1. Ual fiquei curiosa com esse livro e já quero ler ♥
    Beijinhos ;*

    Blog Menina Caprichosa | Canal Youtube | Facebook | Insta

    ResponderExcluir
  2. Olá...
    Sua resenha me fez lembrar que preciso ler esse livro urgentemente! Amei o livro anterior e já estou sabendo que esse ano teremos o terceiro volume, então, preciso agilizar essa leitura!
    Amo demais a escrita dessa autora e fico feliz em saber que Lila continua prudente, mas, que houve um crescimento aí... Já quero conferir tudo!
    Enfim, espero poder ler em breve ;)
    Bjão

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Já li varias resenha em relação a esses dois livros, estou bastante curiosa por conhecer a escrita da autora e saber mais sobre esse mundo que ela criou. Já li e gostei bastante da premissa e de sua trama. Espero ter a oportunidade de ler logo!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei bastante dessa continuação, apesar de ainda me estressar um pouco com a Lila.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mi

    Como assim tu não sacou que o Rhy era bi, mulher? Hahahah
    E esse lance aí de jogos... Bem vibes Katniss Everdeen! Hahaha Eu nem sabia disso, não procurei saber a respeito do livro.
    Eu também não sou fã de fantasia, mas como o primeiro livro foi ótimo eu fiquei animadona para ler esse, só estou enrolando pq só Deus sabe quando o terceiro vai ser publicado por aqui, né?

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário, assim poderei saber se gostou ou não do post.
Aproveite e deixe seu link, para que eu possa retribuir sua visita! ❤

Capítulo Treze