Documentário: 13ª Emenda

Após a morte brutal de um homem preto, afro-americano de 46 anos, George Floyd, que foi asfixiado por um policial branco em uma parada policial em Minneapolis, no Minnesota, vários protestos estão sendo feitos em toda a parte do mundo como uma forma de pedir justiça, não somente para George, mas para todas as vidas negras que já sofreram e morreram nas mãos do racismo e da violência policial. E isso tem levantando muitas discussões nas redes sociais. É o momento de nos posicionarmos! 
"Se você fica neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado do opressor". 
Apesar de ser negra, eu admito que infelizmente não procuro muitos conteúdos literários com personagens negras ou que falam de forma escancarada sobre o racismo ou a luta por igualdade. Talvez por eu já estar acostumada com livro padrões e sem nenhuma representatividade. E isso nunca me incomodou! Mas agora incomoda. O fato deu não ter lido muitos livros que falam sobre racismo faz com que eu não entenda muito do assunto, com que eu não consiga dialogar sobre ele. Afinal, não posso ser hipócrita e chegar aqui indicando livros para vocês sendo que eu nunca os li, ou que eu nem faço ideia sobre o que são. É algo que eu pretendo mudar, e que eu vou! 

Porém, apesar disso, eu tenho algo para indicar a vocês: o documentário 13ª Emenda. Eu assisti ele em alguma aula da faculdade e faz um certo tempo e desde aquela época eu fiquei totalmente impactada com a obra, mas não lembrava o nome e acabei me esquecendo completamente... mas agora que estamos vivendo essa situação, parece que uma lâmpada soou na minha mente e eu me lembrei.

Como faz alguns anos que eu assisti, não posso dizer com propriedade sobre toda a obra, mas basicamente ele começa falando sobre o sistema carcerário dos EUA (que está extremamente saturado) e depois analisa profundamente a criminalização da população negra no país. 

O documentário faz uma análise bem crítica e aprofundada e volta vários anos na história do país para mostrar desde a segregação racial até o que vivemos hoje. Discursos de ódio na fala de presidentes brancos eleitos como Bill Clinton, que na época associavam (e até hoje associam) os negros as drogas. Eles praticamente falavam que nós, negros, éramos causadores de violência no país.

Além disso, os documentaristas relatam vários casos de violência policial onde jovens negros foram presos e abordados de forma violenta, aparentemente sem motivo plausível e que acabaram em cárcere por crimes que não cometeram (a não ser que ter pele escura seja um crime). Alguns deles me marcaram profundamente, incluindo o de um jovem negro, de pouco mais de 15 anos, que foi preso por um crime que não cometeu. Ele ficou dois anos preso até que conseguiram provar sua inocência. Mas até lá foram dois anos perdidos... sem poder ir a escola, sem ter perspectiva de emprego. Pouco tempo depois esse jovem negro, agora solto, se matou. Esse relato me deixou angustiada e perplexa com a injustiça, e principalmente com as consequências... o que nos traz vários questionamentos pertinentes sobre o racismo enraizado dentro de nós.

Não sei se vocês sabem, mas boa parte da população carcerária dos EUA é composto por homens negros, sendo que a maioria nem vai a julgamento. A maioria deles aceitam acordos com promotores onde se declaram culpados pelos crimes por terem a opção de pegarem uma pena menor. Ás vezes eles nem cometeram os crimes dos quais estão sendo julgados. Mas o medo e a repressão é tão forte, que eles preferem se declararem culpados, do que serem julgados, obviamente por pessoas que vão enxergar suas cores antes mesmo de enxergarem quem são.

13ª Emenda é um documentário maravilhoso, mas muito desconcertante. Ele te mostra de uma forma muito crua e direta todas as injustiças que existem e que ainda são feitas contra a população negra dos Estados Unidos. E eu indico muito que vocês assistam. Ele está disponível na Netflix e eu tenho certeza que vai agregar muito na vida de vocês.

#VidasNegrasImportam

25 comentários

  1. Mika!
    SAbe o que não entra na minha cabeça de jeito nenhum? É que ainda em pleno século XXI ainda exista qualquer tipo de preconceito, acho um tremendo absurdo.
    E foi preciso que uma pessoa tenha morrido barbaramente nos EUA para que lá e em outras partes do mundo, movimentos sociais estejam acontecendo na tentativa de mudar...
    Agradeço a indicação do documentário e vou procurar assistir na Netflix.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rudy
      Eu sinceramente achei que quanto mais o tempo passasse, mais evoluiríamos sabe? Mas é triste ver que eu estava completamente errada. Me parece que as coisas estão somente piorando. É triste ver que chegamos a esse ponto, depois de tanta luta contra a desigualdade racial. Mas fiquemos firmes para que essa situação possa passar!

      Excluir
  2. ola
    acompanhei esse mais esse triste episodio de racismo que chocou o mundo
    até quando vamos ver episodios como esse ? quando veremos que somos todos iguais ?só de ler o seu relato sobre esse documentario já dá uma dor no coraçao , não posso assistir porque não tenho Netflix
    espero que a humanidade evoluam e param com essa idiotice de maltratar e até matar as pessoas por causa da cor da pele .Isso é um absurdo que tem que parar.

    ResponderExcluir
  3. Olá...
    Parabéns pelo post! Ficou maravilhoso...
    Ainda não conhecia esse documentário, mas, através de suas palavras imagino o quão intenso ele é... Acho que todos nós deveriamos buscar mais conteúdos onde há denuncias de racismo, pois, quanto mais esse assunto for divulgado mais chance ele terá de ser combatido.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Ontem em meio a tudo que vem acontecendo tanto lá fora, quanto aqui no nosso país, fiquei feliz de certo modo ao ver a união de todo mundo, mostrando a uma turma que ainda não aprendeu a valorizar e respeitar cada vida.
    Somos todos iguais, fato!!!É triste demais ainda termos que vivenciar isso diariamente. Mas tenho fé de que um dia, não precisaremos chorar com atitudes tão pequenas.
    Vou procurar o documentário com certeza!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi! Um livro muito bom sobre racismo é "Eu Sei Por Que o Pássaro Canta Na Gaiola", da Maya Angelou. Fala sobre a vida da Maya e é doloroso, mas uma literatura excelente que me ajudou a entender muitas outras coisas sobre o racismo, recomendo!
    Não vi ainda esse documentário, mas vou procurar para assistir.
    Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  6. Oi Miriã!
    EU também não li muitas obras que falassem sobre o racismo ou com protagonistas negros. Porque infelizmente não temos um acervo tão grande, infelizmente não apostam tanto em autores negros... mas isso tem que mudar pra ontem. Sobre o documentários já tinha ouvido falar, mas fico com medo de assistir, sou do tipo que somatiza muito, então fico muito mal. Eu sei q a sensação de desconforto é necessária, mas as vezes me sufoca, sabe? fico realmente mal. Já quase chorei só você descrevendo a história desse menino de 15 anos. É foda. Revoltante. Vou me esforçar a assistir, é preciso.

    Beijos
    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Nunca assisti ao documentário, mas quero muito assistir.
    é triste que em pleno 2020, temos que fazer protestos e praticamente desenhar que vidas negras importam, a quantidade de gente, que mesmo vendo o que aconteceu, não entendem a realidade que nós vivemos é muito triste e frustrante, mas não podemos nos calar!
    Obrigada pela dica do documentário.
    Gosto muito de duas autoras negras: Djamila Ribeiro e Chimamanda, tem ebooks dos livros delas por menos de R$ 20,00. Leiam, pois é muito importante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Não sabia desse documentário, mas já quero assistir.
    Realmente não faz a gente sair indicando livros sobre um assunto que não sabemos bem.
    Eu te indico a assistir um episódio de uma série chamada Explicando, sobre a diferença social e monetária entre os brancos e os negros nos EUA. É muito bom
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  9. Olá Miriã!
    A sociedade em que vivemos é tão embasada em preconceito e intolerância que em pleno 2020 temos que lidar com notícias tão tristes como esse caso nos EUA e por aqui também né (e o interessante é que o povo só começou a se posicionar sobre o caso do Jõao Guilherme DEPOIS do que aconteceu nos Estados Unidos, como se fosse uma espécie de tendência e não para REALMENTE ajudar na obtenção de justiça).
    Mas enfim, eu confesso que não tinha a minima noção dessa questão dos negros nas prisões norte-americanas, e é TÃO DESCONCERTANTE refletir que isso é o comum por lá. O documentário deve até incomodar o expectador, tamanha a injustiça do sistema carcerário e da falha judiciária.
    Muito obrigado pela dica, apesar de não ter Netflix vou ver se acho no YouTube.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *Gente o nome do menino é João Pedro kkkkkk

      Excluir
  10. Oi Mi, eu li mais obras sobre o tema do que li LGBTQ, estava pensando nisso eses dias. Não conhecia o documentário, mas fiquei bem interessada e te indico Luta por Justiça um filmão sobre o tema!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  11. Olá, Miriã.
    É como diz o ditado o muro é do diabo. Quem não se posiciona já deixa claro o lado que está. É triste, é doído mas é a realidade. Eu conheço pessoas racistas e a gente precisa ler e assistir sim para poder argumentar com essas pessoas que se acham melhores que os outros. Vou pegar a dica com certeza.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  12. Oi, Mi

    Eu não conhecia o documentário, mas já quero assistir. E você está sendo super coerente quando fala que vai procurar saber mais sobre o assunto antes de falar sobre e/ou indicar obras. O primeiro passo é reconhecer nossa falha e então corrigir. Eu também tenho muito o que aprender e já estou trabalhando nisso!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Miriã, Não conhecia esse documentário, mas parece ser extremamente necessário!! Muitas vezes achamos que o problema está só no presidente ou na polícia, mas infelizmente todos nós que nos calamos ou não procuramos nos informar também fazemos parte dessa realidade. Mas é como você falou precisamos nos informar mais, nunca é tarde pra tomar uma atitude.

    ResponderExcluir
  14. Oii Mii!
    Sabe, eu nem sei como explicar em palavras tudo que sinto por ver essa situação pelo mundo. Quando vi a situação de Adriel no IG e logo depois de liga a tv e ver o vídeo do George sendo asfixiado por um policial fiquei muito indignada. Parece que quando avançamos em algo, voltamos três passos atrás.
    Adorei por essa indicação do documentário, irei com certeza assistir. Já em relação a livros, já li vários com autores negros, personagens negros e isso para mim e uma quebra de padrão e amo muito ver isso.

    Blog: Tempos Literários

    ResponderExcluir
  15. Confesso que não sou a pessoa que tem costume de assistir documentários, mas de vez em quando abro exceções quando a sinopse/resenha me chama muito a atenção, não só o tema em si dos documentários. Como estamos no meio dessa luta, acho que o mínimo que a maioria de nós pode fazer é se informar sobre, então já coloquei o documentário como uma das minhas prioridades para assistir. Totalmente triste perceber que em pleno 2020 as coisas evoluem, mas em questões tão importantes quanto essa, continuam iguais. O racismo é bem presente aqui no Brasil, mas quando leio sobre ele nos EUA fico muito assustada, principalmente sobre essa questão da criminalização dos negros vinda de pessoas que deveriam dar todo suporte para melhorar a vida e segurança.
    Já vi em várias séries que eu assisto casos como esse que você citou, de serem acusação injusta, essa é uma realidade dura e que precisa ser mudada.


    Beijos,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
  16. Olá Miriã!
    Eu já li alguns livros com protagonistas negros e escritos por escritores negros, mas embora a representatividade tenha ganhado espaço no mundo literário, ainda são poucas obras disponíveis. Eu não conhecia o documentário, realmente fiquei bem impactada com essa informação de que os presos aceitam os acordos por já não terem esperança de serem inocentados. Esse caso do rapaz que se suicidou também mexeu muito comigo. É uma luta sem fim para apenas ser aceito como é e não sofrer preconceito, por isso todos temos que nos engajar na causa a fim de erradicar de vez o racismo da sociedade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Olá! Toda essa situação é tão triste e vergonhosa, saber que o preconceito faz parte do dia a dia de milhares de pessoas, e que aqueles que deveriam dar o maior exemplo, muitas vezes são aqueles que incentivam ainda mais isso é ainda mais lamentável. E em meio a uma pandemia nos deparamos com mais e mais casos assim é inaceitável e revoltante. Esse documentário deve ser bem impactante e sem dúvida vou conferir.

    ResponderExcluir
  18. Realmente é muito triste acreditar que ainda existe esse tipo de crime na nossa sociedade, que pessoas julgam serem melhores que as outras por causa da cor da pele, só mostra o quanto o ser humano não evoluiu intelectualmente.
    Gostei da dica do documentário, vou procurar assistir ele.

    ResponderExcluir
  19. Até quando vamos ver cenas como a da morte de Floyd? Até quando?????
    É triste devastador mas abriu mais uma vez a discussão sobre o racismo.
    Infelizmente estou sem Netfilx por isso não tenho como assistir o documentário

    ResponderExcluir
  20. Oiii ❤ Não dá pra acreditar que ainda existam pessoas racistas, que acham que a cor da pele pode definir algo.
    Esse parece um documentário bem forte, já que aborda a crueldade com que os negros são tratados. É inacreditável que muitos sejam presos sem serem culpados e ainda por cima não têm direito a um julgamento, além de sofrerem com a violência policial.
    Gostei que o documentário traça um histórico desde a segregação racial, pois assim o tema é amplamente trabalhado.
    Obrigada pela indicação, com certeza vou assistir.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  21. Ouvi falar desse documentário esses dias, mas ainda não tive tempo de assistir. Documentários como esse é muito importante, principalmente por mostrar como os negros são tratados nos EUA, onde o racismo é muito escancarado. Na literatura, realmente é muito difícil ter um protagonista negro, no máximo é um personagem secundário, que dificilmente comenta sobre causas sociais. Irei assistir esse documentário assim que possível!

    ResponderExcluir
  22. Olá! Confesso que ainda não conhecia esse documentário, mas com certeza vou assisti-lo.
    É tão triste ver que ainda exista tanta desigualdade, tanto racismo. Falam que o mundo evoluiu tanto, mas isso não adianta nada se as pessoas não evoluirem também. Onde está o amor? O respeito? Igualdade? União?
    Já li relatos sobre jovens negros serem abordados de forma desrespeitosa e violenta e de terem que pagar por crimes que não cometeram. É extremamente revoltante que esse tipo de situação esteja tão presente na realidade de pessoas negras, onde inocentes são julgados, maltratados e culpabilizados por conta da cor de sua pele.
    Muita obrigada pela indicação, com certeza irei assistir.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  23. Oii,
    Aii obrigada pela dica. Vou assistir!
    Também me sinto incomodada de não ter procurado ler mais livros sobre e de autores negros antes. Quero muito ler mais.
    Tudo que aconteceu com o George Floyd deu um soco no meu estômago. Precisamos lutar mais contra o racismo e rápido!

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário, assim poderei saber se gostou ou não do post.
Aproveite e deixe seu link, para que eu possa retribuir sua visita! ❤
Comentários PLAGIADOS NÃO SERÃO ACEITOS!

Capítulo Treze © . Theme by STS.