A melodia feroz - Victoria Schwab | Resenha

Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos, e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical.

Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unirem para conseguir sobreviver.

Imagina viver em uma cidade em que a violência gera monstros. A cada homicídio, um ato cruel, um monstro com sede de sangue nasce. É assim que Veracidade vive. A cidade, mais conhecida também como Cidade V, é dividida entre Sul e Norte. Sul, comandada por Flynn, que é líder de uma força tarefa que tenta matar e evitar que mais monstros nasçam, e talvez por isso seja o lugar menos seguro para se estar. E o Norte, comandando por Hacker, que usa os monstros para vender a falsa ideia de segurança para os humanos que estão dispostos e tem dinheiro suficiente para comprar. Ambos são visionários, seja para o bem ou mal. E essa visão do mundo foi passada para seus filhos, Kate Hacker e August Flynn.


Kate é uma garota ansiosa pela aprovação do pai. Ela quer ser como ele, mostrar que consegue ser fria e implacável como o pai também é. Após perder a mãe, tudo o que lhe resta é Hacker, a quem ela está ansiosa para agradar. August na verdade é um dos monstros. Ele é um sunai, capaz de levar as almas de suas vítimas apenas com sua música, e por esse motivo é que seu pai nunca o deixa participar das lutas contra os demais monstros, para protegê-lo. Mas August está cansado de se esconder, e fará de tudo para mostrar ser tão capaz quanto seu irmão mais velho, Leo, líder das forças tarefas.


A oportunidade de ser provado e conseguir seu tão sonhado lugar surge quando Kate volta para a Cidade V e vai estudar em um dos famosos colégios do Norte. August então tem a missão de entrar infiltrado no colégio e ficar de olho nela, já que por ser filha de Hacker ela já é considerada um problema. 

Freddie Gallagher não era um aluno comum. Ele sequer era humano.

E uma missão que parecia ser simples começa a se tornar fatal quando algumas conspirações começam a surgir. Quem está por trás dos ataques contra Kate e August? Alguém sabe o segredo dele? Isso é o que tentaremos descobrir...

A melodia feroz foi uma leitura fascinante. Um livro rápido, com algumas reviravoltas que mesmo sendo previsíveis para mim, conseguiram me prender do início ao fim. Foi aquela leitura que me deixou animada com o gênero sabe? E ler distopias é algo muito difícil pra mim, então percebam o quanto essa história foi maravilhosa. 

Esse pingente pode proteger você dos monstros, mas não de mim.

O livro é intercalado entre os dois protagonistas principais. Kate é uma filhinha de papai que até então faz de tudo para chamar atenção dele, desde ser expulsa de todas as outras escolas até matar monstros para provar seu valor. Percebemos que desde a morte da mãe algo se quebrou na personagem, e o fato do pai dela sempre a colocar em segundo plano aumenta o desejo de agradá-lo. Kate ainda é impulsiva, muito robusta em suas ações mas que aos poucos vai sendo lapidada e tendo um grande desenvolvimento na trama. Ela poderia ser completamente irritante, mas suas inseguranças e ao mesmo tempo a força de vontade de se provar a fez se tornar interessante e cativante. 

Onde antes estava um garoto, agora havia um monstro. 


Kate é aquela personagem que demora um pouco mais pra gente se apegar, agora August é o completo oposto. Desde o primeiro momento em que surgiu na história, eu fiquei completamente apaixonada. August é um protagonista que ainda não se entende, que está perdido e que precisa desesperadamente de uma pessoa que o ouça e ajude-o com suas inseguranças. Ele é um sunai, um monstro que nasceu devido a várias mortes em massa, e por isso ele é considerado um dos mais raros e também perigosos. É por isso que ele necessita tanto de deixar sua escuridão escondida, porque sabe que se ceder a ela, ele nunca voltará a ser o mesmo August que conhece. 

Vocês vivem. Não passam todos os dias sem saber por que existem sem se sentirem reais, por que parecem humanos mas não são. Não fazem de tudo para serem boas pessoas para a vida vir e jogar na sua cara que nem pessoas vocês são.

E eu amo personagens assim! Que estão sofrendo por algo, que não conseguem expressar suas dores. Dá pra ver o quanto o desejo de ser humano é algo importante para o Flynn, mesmo que absurdo. Às vezes queria colocá-lo em um potinho e guardar pra sempre, para protegê-lo. Enquanto Kate é destemida, forte e ousada, August é mais inseguro e incompleto, e eu amei essa inversão de papéis.


Existem algumas reviravoltas na obra que pra mim foram bem óbvias. Acho que pelo fato de ter lido Um tom mais escuro de magia, algumas coisas em relação ao vilão ficou bem parecido sabe? Mas nem isso estragou a minha experiência, porque a escrita da Victoria é tão fascinante e gostosa que eu só queria saber o que ia acontecer e foda-se o resto. O mundo que ela criou é tão interessante e tão cheio de características que me envolveu completamente. Eu amei toda a ambientação, as histórias por detrás dos monstros e os personagens, que são maravilhosos, cheio de imperfeições, mas com um ótimo desenvolvimento.

A Cidade V era um lugar do passado e um lugar para o futuro, mas Kate e sua mãe viviam no presente.

Eu não sei bem o que esperar de O dueto sombrio já que apesar das pontas soltas que temos, não dá pra ter muitas ideias de quais arcos a autora vai desenvolver. Só sei que eu amei essa livro e super recomendo!


Monstros da Violência #1 | 384 páginas | Editora Seguinte | Nota: 5/5


15 comentários

  1. Oii, nunca imaginária que esse livro fosse sobre monstros. Já adorei o August que tem esse poder levar as almas de suas vítimas apenas com sua música. So pela sua resenha é um livro que adoraria ler.
    Beijos!!
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Tá aí um gênero que não é muito minha praia. Mas é bem legal ver quando um leitor se sente tão entusiasmado com um livro que nem esperava aquilo tudo. Achei diferente a mocinha ter esses pensamento e o personagem ser mais da paz, geralmente é o contrário né? Gostei disso.

    ResponderExcluir
  3. Engraçado que quando esse livro foi lançado, jurava que era de tudo, menos esse gênero que eu particularmente, amo de paixão!!!
    Os poderes, a música sendo usada assim e com certeza, preciso muito ler ele!!!
    Também tenho essa queda por personagens que mesmo sofrendo, se permitem olhar em frente e mostrarem sua força!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi,
    Da autora, eu li 'Um Tom Mais Escuro de Magia' e não gostei muuuuito. Então, sabe quando desanima para ler outras obras dela?
    Essa série, acho que ainda não vi uma resenha negativa, talvez eu deva dar uma chance a ela.
    beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Victoria é bem aclamada e querida no mundo literário.
    Li Vilão recentemente que pra mim foi algo bem longe da minha zona de conforto literária
    Melodia Feroz também é, até mais que Vilão.
    Mesmo assim não posso deixar de dizer que bem interessante e diferente. Essa dualidade entre August e Kate é incrível assim como a troca de papéis, ela forte e por vezes sanguinária e ele inseguro

    ResponderExcluir
  6. Olá, Miriã.
    Esse livro foi meu primeiro contato com a autora e me apaixonei por ela. O August é incrível, dá vontade de abraçar e não soltar mais. Espero que goste do segundo porque decepcionou várias pessoas. Eu gostei da mesma forma, mesmo querendo um final diferente hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Miga, eu amo esse livro com todas as minhas forças. Quando eu li também senti essa coisa eletrizante, não conseguia parar de ler de jeito nenhum. E eu li no lançamento né, foi um PARTO esperar O Dueto Sombrio. Inclusive, ela consegue amarrar as pontas que deixou soltas no primeiro volume, mas o final... Prefiro fingir que ele não existiu, rs.

    Beijo!
    https://www.roendolivros.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Mi, eu ainda não peguei essa série pra ler, devido ao fato de estar bem distante do gênero nos últimos tempos, mas Victoria é a única capaz de me fazer voltar rsrsrs Quero conferir depois!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Ei, tudo bem? Eu também sou meio receosa quanto a distopias, mas a premissa desse livro é tão interessante que eu acho que vale a pena ser lido simplesmente pela capa, eu com certeza vou dar uma chance para o mesmo e acho engraçado essa coisa da gente simpatizar com um personagem logo de cara e com outros demorarem mais. Amei a resenha. Beijocas!


    https://resenhabookshouse.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  10. A capa desse livro é muito bonita. Já vi muito ele por aí, mas não sabia do que se tratava, estava esperando algo totalmente diferente haha. Muito bom quando os livros nos trazem essas sensações e nos prendem!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, Mi! Tudo bom?
    A Victoria segue uma das autoras mais criativas e mais favoritas da minha estante. Tudo que essa mulher escreve é ouro, e A Melodia Feroz é o tipo de livro tão genial que eu queria ter tido essa ideia KJANFUOASBGUOBAUOASGBUGAS Deu uma saudade da história!

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá! Já eu gosto bastante do gênero, mas ainda não tive contato com a escrita da autora (espero mudar isso em breve), a história em si, chamou muito minha atenção, ainda mais por termos protagonistas tão diferentes, já amei o August #soudessas.

    ResponderExcluir
  13. Miriã!
    Já tive oportunidade de ler esse livro e lembro da sensação de ficar desgastada com o sofrimento de August e entretida em toda 'aventura' vivida pelos dois.
    Mesmo que um tanto previsível como falou em algumas reviravoltas, elas são excepcionais.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  14. Ola
    Distopia é um genero que pouco leio
    Achei interessante a construçáo dos personagens .ela querendo mostrar seu valor ao pai e se tornando uma pessoa forte.
    É táo gostoso quando sentimos essa empatia pelos personagens

    ResponderExcluir
  15. Oi, Miriã
    Tenho vontade de ler esse livro, depois de ler sua resenha sei que preciso ler urgente.
    Agora entendi os títulos dos dois livros e combina bem vomo a trama.
    Gosto da ideia que August e Kate são opostos, acabam se aventurando e se ajudando para ficar vivos.
    Essa trama parece envolver o leitor nem mix de sentimentos ora por August ou Kate.
    Beijos

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar seu comentário, assim poderei saber se gostou ou não do post.
Aproveite e deixe seu link, para que eu possa retribuir sua visita! ❤
Comentários PLAGIADOS NÃO SERÃO ACEITOS!

Capítulo Treze © . Theme by STS.