On a Tuesday - Whitney G. | Resenha

Em uma terça-feiraNos conhecemos em uma terça-feira.Nos tornamos melhores amigos, e então amantes em uma terça-feira.E tudo se desfez em uma terça-feira
Charlotte Taylor tem três problemas sérios em minha opinião:1) Ela me odeia. Ela também afirma que eu sou um idiota dominador com um ego enorme, arrogante. (Eu tenho algo enorme. Não é o meu ego, no entanto).2) Ela leva nossas sessões de estudos de reforço muito a sério.3) Ela é super sexy ... E virgem.Pelo menos, esses eram seus problemas antesdas nossas sessões de estudo começarem adurar mais tempo do que deveriam.Até que um beijo inocente se tornou em umacentena de beijos indecentes, e até que ela setornou a primeira mulher que eu já me apaixonei.O nosso futuro junto após a graduação deveria ser:Futebol profissional para mim.Faculdade de direito para ela.Mas ela me deixou no final do semestre semNenhuma explicação, e então desapareceucompletamente da minha vida.Até hoje à noite.
Nós conhecemos em uma terça-feira.Tornou-se tudo, então nada, em uma terça-feira.E agora sete anos mais tarde, em uma terça-feira..
Grayson Connors é um dos mais famosos jogadores de futebol americano da NFL. E ele acaba de ganhar mais um prêmio importante. O problema é que ele não sente nenhuma emoção com isso. Já faz muitos anos que ele parou de se importar com as coisas desde que perdeu o amor da sua vida, Charlotte Taylor.

Agora que está prestes a acontecer a reunião de 7 anos da classe da Universidade de Pittsburgh, Grayson sabe que pode reencontrar Charlotte. E esse reencontro vai abalar as estruturas de ambos os personagens.

De forma intercalada, iremos conhecer os personagens no passado e no presente. Sete anos atrás, quando ambos estavam na universidade e acabaram se conhecendo, assim transformando as terças-feiras um dia especial para os dois. Vemos um Grayson charmoso e divertido, um garoto que sabe que tem seu futuro garantido no futebol. E conhecemos também Charlotte, uma garota tímida e centrada, que precisa decidir entre o curso de direito e o curso de artes.

A amizade entre eles demora a engrenar, ainda mais porque Charlotte é uma garota difícil e não cede fácil as investidas de Grayson. Sete anos depois, vemos Grayson como um jogador bem sucedido de futebol, mas ainda preso ao passado. Aos poucos vamos entendendo o que aconteceu para separá-los e como ambos irão lidar com esse reencontro.
A premissa me pareceu ótima e tendo lido outro livro da autora eu confesso que esperava muito mais desse livro. Meu maior problema foi não ter me conectado com os personagens, assim foi impossível me apegar a eles e aos seus sentimentos. Além disso a autora intercalou até o final ambos os tempos da narrativa, e eu não gosto disso porque a gente fica sempre indo e voltando e confesso que eu sempre quero ler a parte do presente para saber o que vai acontecer do que ficar perdendo tempo no passando para entender o que houve. 

O fato da trama ser focada somente nos dois personagens foi outro motivo que não me fez gostar da história. Se eu não me conectei com eles e não tinha outros personagens, ficou mais difícil ainda gostar da trama, sabe? No fim, não senti absolutamente nada pela obra. Ela não me arrebatou, não me impressionou e também não me conquistou. Mas não porque seja ruim, pelo contrário, a Whitney escreve maravilhosamente bem, mas foi o roteiro que não me agradou.

No mais, eu indico a obra para aqueles que querem tirar suas próprias conclusões. Talvez ela impressione você muito mais do que a mim.

On a Tuesday | 296 páginas | Editora WGW Books | Nota: 3/5

Comentários

  1. Olá, Miriã.
    Diferente de você eu já amo esse tipo de narrativa que prende o suspense assim até o final indo e voltando ao passado. Por isso pode ser que eu leia ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil
      Deus me livre, esse negócio me cansa demais. Sempre detesto livros assim KKK

      Excluir
  2. Oi Mi, eu adoro o mundo esportivo, então os personagens chamaram bastante minha atenção. Agora não se conectar com os protagonistas é um problema mesmo, te entendo e tb não curto muito intercalar tempos, te entendo novamente.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi,
    Eu não tenho problemas com idas e vindas no tempo, acho que Outlander me treinou bem para isso, rs.
    Agora, a questão de não se conectar aos personagens é um problema mais sério... Não sei se eu leria a obra... Confesso...
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi!
    Eu só li um livro dessa autora e hoje em dia passo longe dos outros kkkk
    Quanto a ficar alternando entre passado e presente, eu até curto...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha, o livro não faz muito o meu gênero de leitura e acredito que ainda não tenha lido nenhuma obra da autora.
    Beijos boa semana
    www.bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mika!
    Eu ainda não conhecia a autora, mas admito que o enredo não me animou muito para ler.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não esqueça de deixar seu comentário, assim poderei saber se gostou ou não do post.
Aproveite e deixe seu link, para que eu possa retribuir sua visita! ❤

back to top